terça-feira, 2 de junho de 2009

A DITADURA MILITAR NO BRASIL

O período do regime militar pode ser caracterizado como um dos mais cruéis e sangrentos acontecimentos que marcaram a história não só do Brasil como de toda a América Latina, que fora e continua sendo alvo dos interesses estadunidenses e especulação por parte de todos os países desenvolvidos, que vêem nos países latinos uma mina de ouro e um mercado consumidor com grande potencial emergente.
Após o Golpe Militar de 1964, fora instituído o regime ditatorial no Brasil, foi um período de grande repressão e total falta de liberdade de expressão, pois havia a censura, que não permitia aos meios de comunicação informar a população sobre o que realmente acontecia em nosso país; que pessoas eram cruelmente torturadas e mortas, muito pelo contrário, o governo militar investia pesado em propaganda pró-ditadura, um bom exemplo é o futebol e as novelas, por isso se perguntarmos para uma pessoa que viveu no período do regime militar se ela gostava ou aprovava os governos, na maioria das vezes ela dirá que sim, pois naquela época se tinha segurança, se ganhava dinheiro e etc; o que não passa de uma grande mentira, já que nesse período o Brasil contraiu muitas dívidas justamente em razão de manter o forte policiamento armado nas ruas, portanto, o saldo que temos da ditadura, se resume em mortes, dívidas e tortura.
Outro ponto que deve ser devidamente esclarecido é a história do bolo, que representava o dinheiro e as riquezas produzidas pelo Brasil, que primeiro iria crescer e se multiplicar para depois ser divido entre toda a população, também não passa de uma mentira, porque até hoje não recebemos nossa fatia do bolo, que por sua vez, deveria ser bastante generosa.
Logo depois do Golpe Militar formaram-se duas alianças “democráticas” extremamente conservadoras, que constituíram os únicos partidos políticos que existiam na época. Então, prontamente já começaram a impor uma série com quatro Atos In[cons]tituicionais que não se limitaram em podar cada vez mais os direitos dos cidadãos:

  • AI – 1: Proíbe a candidatura de políticos opositores ao regime militar;
  • AI – 2: Suprimiu as eleições diretas, garantiu o direito de fechar o Congresso e declarar Estado de Sítio;
  • AI – 3: Decretou o fim das eleições diretas para governador;
  • AI – 5: Concedeu plenos poderes aos militares.

Tudo isso, além da Lei Falcão, que impediu os políticos opositores de fazer propaganda partidária eleitoral na mídia.
Com o AI – 5 pela gestão de Garrastazu Médice, a ditadura inicia mais uma fase, que fora denominada “Linha Dura”, devidamente caracterizada pela total falta de liberdade de opinião e expressão e pela intensificação das torturas aos opositores, que eram castigados tal como, ou até pior que terroristas perigosos, assim sendo chamados pelos militares. Alguns reacionários temendo a tortura e a morte partiram ao exílio, dentre eles estão artistas famosos, como: Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, o saudoso Raul Seixas e etc.
Dentre os vários abusos cometidos durante a ditadura militar, devemos ressaltar e fazer uma discussão mais ampla quanto a liberdade de expressão, que não fora sequer respeitada pelos governos autoritaristas, que sufocaram os meios de comunicação e taparam covardemente a boca da população, impedida de expressar sua opinião e fazer valer seus ideais de transformação. Intuitivamente, a partir da liberdade, podemos defender com total afinco nossos ideais e garantir o direito de sermos ouvidos, mas para que isso aconteça, temos que nos livrar da alienação e valorizar a peleja daqueles jovens que lutaram com bravura para que hoje possamos desfrutar dessa mínima liberdade que ainda temos; está em nossas mãos o poder de concluir o que os jovens militantes contra a ditadura começaram, nas décadas de 1970 e 1980.
Ainda em relação aos meios de comunicação, a ditadura militar foi presente o tempo todo, através da censura que sufocava a voz dos jornalistas, inibindo a população de receber uma notícia de qualidade e livre de estereótipos; diga-se de passagem, até hoje não temos ao nosso alcance a liberdade de expressão, quanto a mídia, ainda vivemos numa ditadura, já que não houve a democratização dos meios de comunicação.
Para conseguirmos reverter essa situação de calamidade informativa, devemos investir na mídia alternativa e contribuir com o nosso apoio e audiência a jornais e revistas que têm um posicionamento ideológico esquerdista, como a revista Caros Amigos e o jornal Brasil de Fato, que de forma eficiente, criticam a política e a organização econômica do país, sem deixar de informar e apresentar soluções para as problemáticas abordadas.

Agora, encarecidamente, faço meu último apelo às autoridades [in]competentes, que em respeito a todos os brasileiros e principalmente, em respeito e satisfação às famílias dos reacionários vitimados durante o regime militar, que seja quebrada a Lei de Anistia, e que se permita investigar devidamente os documentos arquivos referentes à ditadura, uma vez que somente os militares e torturadores foram anistiados, por outro lado, os torturados e suas famílias, continuam injustiçados, porém mantêm vivo o sentimento de que a justiça será feita.

PORTAL COMUNISTA - publicação de WILLIAN DE SOUZA famousstudio_willian@yahoo.com.br

4 comentários:

Emanuel Mello disse...

Precipitado quem diz que a Ditadura Militar implantou o Comunismo no Brasil, a história está bem clara, os fatos estão aí, basta estudá-los.
A justificativa para o “Golpe Militar”, feito em 1964, com apoio e tutela dos EUA, foi uma eventual ameaça de Comunismo no país, portanto boatos à respeito da Ditadura Militar ter implantado o Comunismo no Brasil, se perde da verdade.

Anônimo disse...

A pior piada no mundo é você ver Patifes comunistas falando de eleições livres e de "ditadura militar" quando o Banditismo comunista é a mais Sangrenta Ditadura do mundo! Morte a ditadura global comunista!

G disse...

Me parece que há uma confusão entre sistema de governo e sistema de produção. Socialismo é um sistema de produção coletiva onde há a distribuição igualitária da renda conseguida com a produção. Meus caros separem bem estas duas coisas sistema político é uma coisa, sistema de produção é outra. Eis a diferença podemos ter um socialismo regido por democracia ou um socialismo regido por um governo ditatorial, do mesmo modo pode haver um modo de produção capitalista com um governo democrático ou ditatorial. POLÍTICA É UMA COISA SISTEMA DE PRODUÇÃO É OUTRA.

Paulomauricio disse...

Prefiro mil vezes a ditadura militar do que a comunista!!!! EU VIVI MUITO BEM NA ÉPOCA DA DITADURA MILITAR!!! SE O BRASIL FOSSE COMUNISTA, HOJE TODOS NÓS ESTARÍAMOS PLANTANDO CANA EM TROCA DE CESTA BÁSICA E COM CERCAS DE ARAME FARPADO ATÉ NAS PRAIAS!!